sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Jardim dos Professores




mesmo ali ao lado do Hotel Cardoso e do Museu de História Natural.

em Maputo as empregadas domésticas aprendem ética


é vulgar para as famílias (nomeadamente de portugueses) terem uma ou duas empregadas em casa. isso é uma coisa que a mim não me assiste (tal como o Mercado do Peixe). faz-me confusão aquela coisa de chamar a empregada para trazer o café, quando se pode perfeitamente levantar o rabiosque do sofá e ir buscá-lo à cozinha. faz-me confusão que ainda haja aqui uma espécie de sublinhar da superioridade do branco sobre o negro.
mas por outro lado, ter uma empregada doméstica é criar mais um posto de trabalho. desde que a patroa ou o patrão não se esqueçam também da ética. se calhar deveriam ter umas aulinhas, também!

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

e o Mercado do Peixe é uma cena que a mim não me assiste




fotografias retiradas do lado de fora, em passagem, a caminho da EPM. não, não fui ao Mercado do Peixe. não tenho anti-corpos à altura de tal experiência.

me and txopela

o tutti fruti pode ser de ananás. ou de maracujá


quer um tutti fruti de quê?
de tutti fruti.
sim, mas um tutti fruti de quê? ananás, maracujá...

- e aí fez-se luz no meu cérebro: tutti fruti era a marca, não o sabor.

domingo, 2 de outubro de 2011

people on the street





(fotografias de João Sousa)

nem sei como se escreve, será «choupela»?


no dia 1 da formação na Escola Portuguesa de Moçambique havia estradas cortadas devido aos Jogos Africanos. aguardava eu o motorista, quando me ligam da Escola sugerindo que eu apanhasse um (uma?) choupela para chegar à Escola, pois o motorista não conseguia chegar à 24 de Julho.

perguntei aos amigos de lllllllá onde podia apanhar tal transporte e efectivamente o que seria!
e é o melhor transporte do mundo, minha gente. rápido, barato (vamos de uma ponta à outra da cidade por 100 ou 150 meticais) e os motoristas são como os nossos taxistas: gostam de conversar, de falar disto e daquilo.

acabámos por recorrer à choupela mais algumas vezes: para ir às compras ao Mercado e à Casa Elefante, para ir visitar os Museus. podem ir até 3 pessoas, sem problema.

NOTA: segundo o @ctimana  (amigo do twitter) escreve-se txopela! 

Cristal (na Av. 24 de Julho)


comer em Maputo? há boas opções, mas aquela que nos cativou mais foi a Cristal, na Av. 24 de Julho (sim, à beirinha do hotel). o atendimento é muito bom, podemos (e devemos) reservar mesa em dias de jogos da liga portuguesa, há sempre sopa (para quem, como eu, se farta das comidas) e o preço é acessível.
o arroz de marisco é altamente recomendado, bem como a açorda de gambas (não experimentei, mas os meus bradas gostaram muito). as sobremesas também são variadas.
a Cristal tem proprietários portugueses, o café é Delta, o azeite é Oliveira da Serra, a Laurentina é de Moçambique e a coca cola também.


o menu inclui pratos tipicamente moçambicanos, como esta galinha cujo nome do prato era muito giro, mas não me lembro. sei que o molho de côco estava divino.

experimentamos o Monte Alentejano, mas confesso que em comparação o preço médio é mais elevado e o restaurante não nos cativou em termos de espaço e de atendimento.

sábado, 1 de outubro de 2011

Feira de Artesanato - Fortaleza


que dia quente, este. fomos a pé do Hotel até à «baixa» lá do sítio. calor, calor, calor. muitas fotografias pelo meio, almoço no shopping e uma visita à Fortaleza, onde estava a decorrer uma feira de artesanato.


fotografia de João Sousa

Mouzinho de Albuquerque, conhecem?  contou-nos a querida Antónia (com quem inaugurei o 1º encontro de twitters em Moçambique!) que a estátua que está ali ao fundo estava na Praça que veio a chamar-se Praça da Independência. quando esta se deu, a estátua foi retirada, pois era um forte símbolo do colonialismo. colocaram-na na Fortaleza e como esta não é muito alta, a cabeça do Mouzinho era visível. diz-nos a Antónia que o moçambicano, supersticioso, não queria cá o Mouzinho  a espreitar por cima dos muros da Fortaleza. assim sendo, escavaram um pedaço de terra e o Mouzinho lá está, a cavalo, mas desnivelado face à zona interior da Fortaleza.

esta Fortaleza é uma réplica. mas sobre isso aprendam mais AQUI.



senhor atrevido, este! humpf

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Jogos Africanos




a nossa estadia em Maputo coincidiu com a realização dos Jogos Africanos. num dos dias assistimos a uma prova de ciclismo, tal como confirmam as fotos.

consta que por causa dos Jogos a cidade estava muito mais limpa. ainda bem, porque ainda assim vimos muitas ruas sujas (nota: as fotografias não têm cheiro, felizmente).

é uma pena, pois a cidade é bonita, tem edifícios com uma arquitectura diferente, mas precisava mesmo de cara lavada: pinturas nos prédios, mais caixotes do lixo, maior frequência na recolha, acções de reciclagem. enfim. mas isto é o ecoponto em mim a dizer o que pensa!

consta que durante os Jogos houve equipas da Nigéria e da Etiópia que desertaram. «Isto é África», dizia-me alguém. é mesmo. e eu gosto de África, só para que conste, sim?

ora vamos lá passear!


colocar a crianças nas costas e pumba. prender com o pano, dar dois nós.


e estamos prontas para a viagem.

por falar em pano, já conhecem o Clube do Pano



Igreja Grega Ortodoxa




esta Igreja é linda de morrer. aqueles tons de azul, laranja... enfim. uma igreja diferente, com muita cor e com uma noção de espiritualidade diferente.

realmente, em Maputo, as igrejas são diferentes e ponto final. um dia destes mostro-vos fotos da Igreja de Santo António de Polana e poderão assegurar-se que falo a mais pura das verdades.

gostei das cores, do espaço. e do passeio que se seguiu à visita a esta igreja que fica... ora bolas. não me lembro do nome da rua. mas sei que se vê a cúpula azul quando se passa na Julius Nyérere, quase a chegar ao princípio da 24 de Julho.

um sítio a visitar e do qual os autores do guia se esqueceram de referir.

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

fomos ao teatro.




no teatro de lllllllllá pode comer-se pipocas e beber coca cola como nós fazemos no cinema de cá. ora a peça foi muito divertida, cheia de crítica social e só vos digo que a fila na sessão das 18h30m era muito enorme mesmo!
o dia do teatro foi em cheio: começou com uma visita ao Parque dos Continuadores e uma caminhada até á «baixa» de Maputo, onde encontrámos o Shopping onde almoçamos por 17 eur. os três. sim. comidinha de faca e garfo, por 17 euros.

a melhor coca cola do mundo

 bebe-se em Moçambique :)

domingo, 25 de setembro de 2011

gelado! bom. mas bom!


Gianni. existe um pouco por todo o lado, mas conhecemos esta loja no Polana Shopping. a decoração é muito gira, cheia de cores e com desenhos de crianças (ora, GOSTO muito disso).



em cone ou em copo (e não é um copo de plástico, é um copo de «esferovite» que conserva o gelado bem... gelado!). o preço é de 60 meticais cada bola (se a memória não me falha) e aconselham-se os sabores de fruta. fruta mesmo a sério, ok?

não conheço (ainda) os gelados italianos. sim, ainda não fui a Itália. por isso, até agora, posso dizer que o melhor gelado do mundo está algures em Maputo. são só 10h30m de distância...

Casa Elefante


fica mesmo em frente ao Mercado Municipal, na Av. 25 de Setembro (se a memória não me falha). é uma retrosaria já com alguns anos em Maputo. tantos que uma amiga de mamãe, que tem uma retrosaria na Amadora e que é moçambicana já trabalhou lá. e isto já foi há uns anos valentes. quando mamãe disse: «sabe, vou a Maputo», a senhora pediu-nos que fossemos ver se a loja ainda existia. e trouxemos registos fotográficos.


a loja é uma perdição: capulanas a montes, todas lindas e fantásticas e maravilhosas. quanto mais se olha, pior. dá vontade de trazer todas e mais algumas. o preço é á unidade, e varia entre os 100 e os 2000 meticais.  mas perguntam-me vocês: o que é uma capulana? eis a resposta:




e esta capulana tão lady bug? tinha que ser minha, pois claro!




sábado, 24 de setembro de 2011

ainda no Museu de História Natural. aconteceu.


o amor. à 1ª vista.

a aventura


tudo começou no facebook. uma professora de Filosofia da Escola Portuguesa de Moçambique tropeçou no meu projecto de Filosofia para Crianças e enviou-me uma mensagem através daquela rede, perguntando se eu não estaria interessada em ir até à Escola dar formação aos professores. eu olhei com atenção.

Maputo?

nesse dia estava de partida para a Madeira, para dar formação. comento com os bradas cá de casa: «então e se fossemos a Maputo?». e eles alinharam imediatamente.
enviei proposta de formação, cv e acertamos pormenores formais. em Abril a data foi fechada e os bilhetes foram comprados. a aventura estava definitivamente em curso.
nem mesmo o síndrome vertiginoso que me apareceu do nada em Maio me fez recuar. nós íamos a Moçambique e ponto final. e fomos. carimbamos o nosso passaporte, a três.






feira no Parque dos Continuadores


uma espécie de Mercado do Pau que acontece todos os dias no Parque dos Continuadores. por lá pode comprar-se de tudo um pouco e há alguns fins de semana em que há comidinha boa para degustar os sabores de Moçambique e não só. 

consta que este espaço se encontrava degradado e que foi recuperado de forma a acolher os vendedores de rua e proporcionar a todos um local agradável, para passear com as crianças e fazer algumas compras.



as Marias Franciscas lá do sítio são assim. compra-se uma Chica destas por 250, 300 ou 375 meticais. acham muito? ora se um euro vale cerca de 40 meticais... façam as contas!


o almoço foi caril de camarão com beringela e arroz de legumes. a bebida foi Coca Cola (a melhor Coca Cola do mundo bebe-se em Moçambique, ok?). houve quem experimentasse pela primeira vez os encantos da Laurentina Preta, bebida à qual me rendi durante a estadia em Maputo.



sobremesa? claro, tudo a que temos direito. este doce foi comparada à sericaia do Alentejo, mas é no fundo uma especialidade indiana. e era muito muito bom! chama-se bebinca (obrigada Nanda!)


após 5h de formação, confesso foi muito agradável esta tarde na Feira. vi muito artesanato e conheci alguns vendedores simpáticos. claro, todos querem vender. mas têm sempre um bom dia ou boa tarde para nos brindar.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Museu de História Natural


o edíficio é muito bonito. nos jardins encontramos murais de Malangatana, bem como algumas espécies raras. como estas duas que se seguem:


o Museu fica perto do Hotel Cardoso e do Jardim dos Professores. a entrada custa apenas 50 meticais por pessoa (é mesmo muito pouco, acreditem). a exposição é muito rica e conta com a única colecção de fetos de elefante do mundo. a não perder, mesmo! (não pela exposição dos fetos, mas por tudo mais que podem por lá encontrar!)


num dos últimos dias de estadia ainda voltamos a este Museu, para tirar algumas fotos aos jardins exteriores.